domingo, 1 de setembro de 2013

O porquê que fui assistir isso: Os Instrumentos Mortais: cidades dos Ossos ( Harald Zwart, 2013)

                    
              
 
                    
 
 
                 Dizem que a curiosidade matou o gato! Bom nenhum gato morreu, que eu saiba mas por minha curiosidade, e máxima culpa, deixo aqui expresso a minha enorme capacidade e paciência de assistir a um filme que chega a ser um tanto engraçado, trash, bizarro em seus 130 minutos de duração, e sim estou falando do filme que vem a ser Intitulado pela mídia de "sensação do momento"- Os Instrumentos Mortais: cidades dos Ossos ( Harald Zwart, 2013), o mesmo vem  assumir uma nova categoria em meu blog:  o porque que fui assistir isso!
                 Após todo o grande impacto infato juvenil causado pelo filme, trilogia, Saga, sei lá o que mais denominar do "fenômeno"  Crepusculo, cuja adaptação baseada nos livros de Stephenie Meyer chegou de maneira viral nos corações adolecentes em todo o mundo e que originou mais três sequências milionárias, bom a Saga de filmes vampirescos, lobos (sem camisa) e etc já passou, não se engane caro leitor, o desespero em acertar em mais uma sequência de filmes para ocupar esta enorme lacuna vem fazer de Os instrumentos Mortais: Cidades dos Ossos, uma aposta bem arriscada.
                Nesta tal tentativa  da indústria cinematográfica pela vaga deixada pela saga vampiresca, surgiram dois filmes : A hospedeira ( The Host, Andrew Niccol, 2013), baseado nos livros da mesma autora de Crepúsculo e o Dezesseis Luas (Beautiful Creatures, Richard LaGravenese, 2013).


              Estes dois filmes tiveram uma estréia branda e pouco conseguiram o mesmo burburinho, e até tenho uma leve simpatia pelos dois então a lacuna de um filme para  ocupar tal lugar nestes corações órfãos e carentes de uma nova história de amor com todas as suas bizarrices supernaturais, por vampiros, lobos e suspiros melancólicos sem fim estava vago.
              Mas calma a solução está por vir e o filme mais aguardado do ano, enfim, faz sua estréia e se chama : Os Instrumentos Mortais: cidades dos Ossos, baseado no primeiro livro best seller de Cassandra Clare, e se você é fã de seus livros, vá assistir ao filme sem querer ver nenhuma fidelidade,  é uma adaptação em que elementos do livro não foram explorados, mas também não precisariam era só o filme apresentar uma sequência estimulante de uma história até razoavelmente boa e que chega a ser interessante, mas acaba perdendo o nexo de sentido ao longo de sua projeção na telona.
                     A história é a seguinte a adolescente Clary Fray (Lily Collins), uma garota normal que tem um amigo chamado Simon (Robert Sheehan), até o dia em que Clary descobre ser descendente de uma linhagem de Caçadores das Sombras, tipo uma sociedade secreta dedicada a expulsar demônios do nosso mundo. Quando sua mãe Jocelyn Fray (Lena Headey - Game of Thrones) desaparece, Clary precisa se juntar a um grupo de jovens Caçadores das Sombras : Jace Wayland ( Jamie Campbell Bower - A saga Crepúsculo), Isabelle Lightwood ( Jemima West) e Alec Lightwood (Kevin Zegers) em uma aventura, na qual encontrará fadas, bruxos excêntricos, gangues de lobisomens e outras criaturas.
                    Mas se a história é até boa, o porquê que não gostei vem da forma que esta história começa a ser contada, o diretor Harald Zwart , o mesmo que dirigiu Karatê Kid (2010) não convence em seu posto e nos coloca diante de uma história morna, repetida, sem ousadia, e esse meu comentário não tem nada com o fato de que também não gostei de seu Karatê Kid, mas isso seria outro post e não vou me deter a estas particularidades, então tudo se resume a escolhas ruins.  Tudo bem que o filme é fantasia, um suspense adoslescente mas, necessariamente, tinha que conter um texto tão insignificante com tiradinhas nem um pouco inteligentes que o espectador não tem outra alternativa, se não cair na gargalhada, durante todo o filme.
                  Até os efeitos especiais são leves. O filme começa com o pânico da mãe de Clary por ela desenhar um símbolo em todo o lugar, a partir daí caro espectador ficamos nos perguntando qual a importância do símbolo na vida desta criatura e pasmem, o filme inteiro é um lenga- lenga em torno deste símbolo. Quando Clary  vai para uma boate com Simon e ver um assassinato que ningém mais ver, aí começa a sua aventura pois quem é do mundo real é denominado mundano, nem todos os mundanos podem ver os caçadores, mas o amigo de Clary, Simon acaba os vendo, porque parece que ele se permitiu isso, acho que vem mais da ideia de se obter um triângulo amoroso mesmo, bem típico, outra coisa são as roupas dos caçadores e que Clary acaba vestindo: o couro (pelo que pude perceber é uma forma de vitalidade para os personagens, hummm), nada mais óbvio. Questões como  homossexualidade e incesto também ficam implícitas no filme, o que acabaria ganhando momentos que deveriam ser melhor explorados se tornam patéticos e questionaveís. 
                 Enfim, a história vai desenrolando numa descoberta de Clary por suas origens, e por ter um enorme poder, as coisas não são explicadas e as sequências de ação nos fazem dormir, pasmem, eu não dormi porque não tive coragem, e também paguei caro por  um ingresso, mas faltou pouco, então vamos as cenas e frases que não  fazem sentido algum e me fizeram rir alto no cinema:
               1- “Sou um Caçador de Sombras e te protegerei com minha vida
                 

            2- “Não me lembro de nada que ela queria que eu esquecesse
            3-   "Eu chorei a noite toda, mas nunca mais chorei de novo
            4- Cena em que Clary insinua que Alec ama Jace e o Alec diz que se ela repetir isso ele a mata sem piedade!
 
             5- O Primeiro beijo do casal tem uma chuva forçada, bom com essa me despeço por aqui e só! 
                   
    
      Detalhes:
  •  A cidade dos ossos, tema central do filme acaba ficando em segundo plano, uma pena porque a direção de arte caprichou no estilo gótico que cerca a cidade escondida, uma pena mesmo esta espacialidade ter sido pouco explorada.
  • A maquiagem e os efeitos especiais não tem muita novidade, a caracterização dos lobisomens são mal feitas, incluindo  também os demônios e vampiros  ( parecia uma maquiagem de seriado, tipo   Buffy, a caça vampiros com aquela cara feia dos monstros, para um filme padrão hollywoodiano deixou a desejar).
  • O figurino querendo destacar o estilo gótico fez a utilização do uso do couro, o que podia ser feito de forma mais ousada, acabou ficando muito caricatual.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Imperdível: A Exposição Sobre Coisas que o povo diz da Artista Clarissa Torres continua até dia 30/08 no Bardallos


Os ditos, as maneiras de falar, ou melhor, coisas que o povo diz vêm sempre cheias de fantasia. Uma vertente importante de nossas criações é a oralidade, este é o nosso primeiro contato com o mundo que nos rodeia, principalmente quando crianças, este é o nosso primeiro contato com a cultura através de nossas famílias, depois amigos e enfim a sociedade em seu contexto, mas e quem nunca foi criado ouvindo um dito popular citado pelos seus avôs e avós?  Bom eu nasci e cresci ouvindo quase todos, são os nossos primeiros ensinamentos, entre uma “prosa” e outra, ouvimos um “em terra de cego quem tem olho é rei”, não minha filha não faça isso! tá parecendo uma “ Maria vai com as outras”, e o melhor vai falar com “fulaninho” não é? Tá parecendo que tem o “rabo preso”? ou um nossa do nada "cai de paraquedas".
É nesse clima que a exposição da artista Clarissa Torres não só aguça essa nossa curiosidade do descobrir, do adivinhar e percorre todas as nossas histórias de memórias, em que a cultura se transforma, e assim a inspiração da artista veio da obra do grande folclorista popular e potiguar Luiz da Câmara Cascudo em seu livro Coisas que o Povo Diz, em que aborda estas origens marcadas pela oralidade do povo.
Mas quem for conferir no Bardallos Comida E Arte a exposição Sobre Coisas que o povo diz, não vai apenas encontrar um belíssimo trabalho, vai encontrar um deleite ao lúdico, uma possibilidade de reviver histórias, brincar de adivinhar, resgatar as memórias do passado, do presente, e sem sombra de dúvidas, conferir uma exposição cheia de significados e coerências, um convite para encontrar amigos e “papiar” em que os personagens de Clarissa ganham forma e vida num espaço Bardallos que permite este desprender, num clima mais que agradável em que cada tela é um deleite de descobertas, de estimular a imaginação de confluências e sentido, harmonizando-se no prazer e apreciação artística do fantástico, em que cada personagem seu reinventado nos proporciona e que Clarissa soube tão bem nos apresentar.





Algumas fotos das obras só pra aumentar a curiosidade e você ir correndo conferir (Cortesia de Joseniz /Niz - "o cavaleiro das trevas e da Luz").
 


 
 


 
Então corre lá pra conferir, ainda dá tempo:
Onde: Bardallos Comida E Arte
 Rua Gonçalves Ledo, 678, Cidade Alta, Centro - Natal/RN , Até dia 30/08
 
Sobre o Livro:
Cascudo, Luís da Câmara. Coisas que o Povo Diz. Rio de janeiro, bloch, 1968. 1ª edição. 206p.
 
 
 

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Acontece em Natal: o 5º Encontro Nacional de Dança Contemporânea

 
 
 
 
 
 
 
 
 
De 25 de julho a 03 de agosto, Natal irá sediar o 5º Encontro  Nacional de Dança Contemporânea com a coordenação geral de Diana Fontes, contará com companhias locais e atrações nacionais   como a Focus Cia. de Dança (RJ), Dudude Herrmann (MG), Movasse (MG), Edson Beserra (DF), Cia. Fragmento de Dança (SP), Alysson Amâncio Cia. de Dança (CE), Otávio Bastos (PE), Lamira Cia. De Artes Cênicas (TO), Sem Censura Cia. de Dança (PB),  a Mostra Ibero-Americana de Vídeo Dança com Sofia Orihuela (Bolívia), o Dimenti (BA) e o Coletivo Construções Compartilhadas (BA), em parceria com o Palco Giratório/SESC, como também palestras, oficinas e intervenções que vão trazer novas idéias, difundir a cultura e a dança para o público do Rio Grande do Norte, agregando os espaços e ruas da cidades como praças, parques em verdadeiros espaços  de apreciação e assim agregar a comunidade nesse fazer artístico. Vale a pena conferir!!!! #imperdível

Toda a sua programação em:
http://www.encontrodedanca.com/

Lembrando : Sua abertura acontecerá hoje a partir das 21:00 horas no Teatro Riachuelo com o espetáculo da Focus Cia. De Dança, "As Canções Que Você Dançou Pra Mim".

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Uma visita ao Museu Câmara Cascudo - MCC/UFRN









       
 
 

Exposição "O Gabinete"
Foi adiado para o dia 23 de agosto, o encerramento das Exposições “Tesouros do Museu Nacional”, a exposição itinerante do Museu Nacional/UFRJ, que está em cartaz no MCC/UFRN desde 23 de abril e tinha seu encerramento previsto para o dia 05 de julho, assim como também a exposição “O Gabinete” que oferece aos visitantes uma viagem através de nosso passado histórico com a reconstituição do cenário de um dos antigos Gabinetes de Curiosidades, uma sala temática com peças curiosas, um verdadeiro baú de conhecimento, tanto de cunho artístico e utilitário, quanto de cárater científico, precursor dos atuais museus de História natural. 

Algumas fotos  em detalhes para aguçar a curiosade da Exposição “Tesouros do Museu Nacional”:








 



 
 
 Vale a pena conferir, não só essas exposições intinerantes mas todo o acervo do MCC que está cada vez mais antenado e diversificado com a cultura do nosso estado, abrangendo vários campos de pesquisa e fazendo do museu um meio pra divulgação, apreciação, informação e multiplificador de idéias, o que me deixa particularmente muito contente, pois o Museu é o formento da cultura de seu estado e o MCC está resgatando isso de maneira coerente e perceptiva, prova disso é a mais nova aquisição de todo o acervo do já então instinto Diário de Natal  fechado em 2012, através de um contrato de comodato com a UFRN,  que irá enriquecer mais ainda a história do nosso estado  e que se não fosse esse recurso iria se perder parte de um grande acervo fundamental para a memória do Rio Grande do Norte.
Sobre este assunto mais detalhes em:



Algumas fotos   em detahes para aguçar a curiosidade da exposição "O Gabinete": Fascinante a cada olhar. 




 



 

 
 
 

 

Museu Câmara Cascudo/UFRN, Avenida Hermes da Fonseca/Tirol, (84) 3342-4914- Natal/RN.
Os agendamentos para visitação de grupos escolares e afins estão sendo realizados através do telefone (84)3342-4903, e as visitações continuam de terça à sexta-feira, das 09 às 17hs, totalmente grátis, vale a pena conferir! 

 
 
 
 


quinta-feira, 11 de julho de 2013

Semana do Audiovisual em Natal 2013 exibe o premiado “Elena” de Petra Costa


Ontem pude ir conferir a abertura da 2º edição da SEDA Semana do Audiovisual em Natal 2013 um Festival de Cinema Integrado que acontece em diversas cidades do País, em terras potiguares esse ciclo está acontecendo no maravilhoso  no solar bela vista, um cenário perfeito para assistir a um filme tão intimista como Elena.
Fazia um tempinho que ouvia o burburinho desse filme em circuito nacional, vi o teaser e a primeira impressão que tive foi, tenho que assisti-lo e descobrir quem foi Elena. Após 2 meses de exibição nos cinemas, O longa alcançou, na última segunda-feira (8/7), a marca de 48 mil espectadores e é o documentário mais visto no Brasil, principalmente com sua adesão em festivais como a SEDA que ajuda a elevar esses números em cidades que talvez o filme ficasse de fora por conta do circuito comercial.


Ganhando força na internet, com 600 mil visualizações pelo youtube do vídeo “Quem é Elena?” e sua página no facebook com mais de 120 mil seguidores ajudam instigar nossa curiosidade e foi por isso que a sua exibição na SEDA reuniu muitas pessoas ontem, não sei se exatamente pela mesma pergunta que fiz ao ver o teaser,  mas  todos  estavam  motivados, principalmente  pela descoberta.

E assim minha pergunta foi dando espaço a outros questionamentos durante os 82 minutos de exibição de Elena (Petra Costa, Brasil, 2012). Não é só sobre Elena, através de Petra sua irmã, o longa vai dando espaço  a uma poesia perdida e encontrada, há um desejo latente impulsivo da busca de Elena por suas convicções a de ser artista, sua dedicação e euforia que veio a desilusões num tempo em que ser artista no Brasil era uma utopia mas e hoje o que mudou? O que te motiva? O que te faz não desistir? São essas perguntas que vamos fazendo e assim descobrindo que Elena tem um pouquinho de muitos de nós e nos aproxima de uma história trágica de sonhos e desilusões que é a vida.

Angustiante e intrigante eleva nossas emoções psicológicas, nos faz avaliar o que te faz bem e ruim nas nuâncias da vida, entendo Elena como a libertação, por revelar sentimentos tão íntimos guardados de mãe e filha (e irmã), se torna um grito guardado que foi ecoado e transformado em poesia, em sentimento, tem muitas cenas belíssimas, mas nenhuma melhor definiria o que descrevo como a da submersão e emersão na água, é uma volta, um recomeço, desabafo.
 
 Vale a pena assisti-lo e tirar sua próprias conclusões, pois cada pessoa vai senti-lo de um jeito, se identificar de alguma maneira, poucas vezes saiu de uma exibição de um longa tão dignificada com um conjunto de uma obra tão complexa e genial por levar essa proliferação de sentimentos de forma tão profunda, em que singularmente defino como amor e coragem.

 Detalhes sobre  a SEDA e sua programação de 10 a 14/07/2013: http://sedanatal2013.blogspot.com.br/
  Mais detalhes e curiosidades  sobre “Elena”: http://www.elenafilme.com/

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Pré lançamento da HQ Condenável: um sucesso

 
 
Esse post é todo especial pois foi com grande carinho que nesta noite estrelada e convidativa de quinta-feira 04 na Livraria Nobel Av. Salgado Filho n°1782, Tirol (em frente ao Hospital Walfredo Gurgel e próximo ao Shopping Midway Mall)  me reuni aos apaixonados por quadrinhos, curiosos e afins para prestigiar o aguardado pré lançamento da HQ Condenável de Marcos Guerra  e Paulo Sérgio, a primeira pubicação impressa da K-ótica em 2013.
Lembro que os quadrinhos sempre acompanharam a minha infância mas foi só na faculdade (DEART- UFRN) que comecei a compreendê-lo em sua essência a partir dos amigos queridos Joseniz (Niz), Tony (Logan) e o próprio Marcos Guerra (que lembro sempre admirar seus desenhos nos corredores do Deart e suas estórias muitas delas já publicadas em séries de webcomic) , por isso a noite de ontem foi um grande encontro pois entre idas e vindas, é muito bom reencontrá-los e não poderia deixar de ir correndo adquirir a minha HQ Condenável! Com o Imperdível  roteiro do Marcos Guerra e os desenhos de Paulo Sérgio que te faz viajar a cada página, um momento ímpar não só para todos que curtem quadrinhos mas para ver a afirmação da geração k-ótica com uma linguagem própria de arte sequencial potiguar, brasileira e mundial em breve!
 
 
Com Marcos Guerra, o papo não tem fim (sempre prazeroso revê-lo!!!)

Com o querido Niz (cavaleiro das trevas e da luz) Bazinga!!!!! kkkk

Marcos Guerra, eu e Tony Logan (se vc quer saber tudo sobre anime fale com ele!)
Só na pose !!!! kkkkk

Pose pra foto - com Mayara minha irmã que virou apreciadora de quadrinhos tbm!

 
 

Quer conhecer mais sobre a K-ótica:
quadrinhos de suspense e terror nascido das séries de webcomic, podem ser encontrados  em suas versões on -line no site www.revistacatorze.com.br ou pelo blog  Koticahqs.blogspot.com.br e também no face https://www.facebook.com/koticaweb

Lançamento Oficial de Condenável:
08 de Julho (Segunda-Feira) às 19H45Min
Evento HQ ZONE ( mais detalhes no http://cavaleirodastrevasedaluz.blogspot.com.br/ )
no Praia Shopping (em frente às Lojas Americanas)